A Nome Próprio apresenta "Nocturno", de Joana Gama e Victor Hugo Pontes, no dia 12 de maio na Casa das Artes, Vila Nova de Famalicão

Música
A Nome Próprio apresenta "Nocturno", de Joana Gama e Victor Hugo Pontes, no dia 12 de maio na Casa das Artes, Vila Nova de Famalicão

© José Caldeira

"Na imaginação das crianças, a noite é talvez o primeiro dos grandes mistérios. As sombras, o escuro, o silêncio, os barulhos da rua e os movimentos na casa propiciam pensamentos fantasiosos, muitos medos, algum fascínio. O universo infantil é ocupado pela ideia da noite como sinónimo do desconhecido, por um lado, e como possibilidade infinita, por outro. Terrores nocturnos, monstros de-baixo da cama, chuva forte que não deixa dormir, mas também sonhos alegres, histórias para adormecer, canções de embalar, mimos de boa noite, a luz da lua. A noite é por definição um lugar fantasioso, e assim continua na idade adulta, associada à solidão, à insónia, ao desvio, mas também à intimidade e ao recolhimento. E por tudo isto a noite está ancestralmente ligada a um certo universo artístico,situado entre a melancolia e a transgressão.

Nocturno tem música original de João Godinho, na qual o piano é usado não apenas como instrumento melódico, mas também como veículo de sons ora encantatórios, ora aterradores. O nocturno enquanto género musical - pequena peça para piano, emblemática do período romântico e de carácter melancólico - serve naturalmente de inspiração. É assim estabelecida a ponte entre o mundo das artes e o mundo das crianças, dois universos em que a noite nunca deixou de ser simbólica, porque nunca deixou de representar a fronteira em o que vemos e o que não vemos, entre o que imaginamos, o que sonhamos e o que tememos.

Nocturno inspirar-se-á em muitas noites possíveis – na aldeia e na cidade, ao relento e em abrigos improváveis, de baixo dos cobertores no Círculo Polar Árctico, dentro de água nas Caraíbas, na camarata de uma casa grande, no beliche de um pequeno apartamento. Diferentes sons e experiências, com ou sem estrelas, mas sempre sob o mesmo céu escuro".

/
Ficha artística e técnica:
Cocriação: Joana Gama e Victor Hugo Pontes 
Direção e cenografia: Victor Hugo Pontes 
Interpretação: Joana Gama, Paulo Mota e Victor Hugo Pontes 
Composição musical: João Godinho 
Desenho de luz e direção técnica: Wilma Moutinho 
Sonoplastia: Suse Ribeiro e João Godinho 
Desenho de som: Suse Ribeiro 
Maquinaria de cena: Filipe Silva
Adereços (aranhas): Emanuel Santos 
Direção de produção: Joana Ventura 
Apoio à residência: Centro Cultural Vila Flor 
Coprodução: Nome Próprio, São Luiz Teatro Municipal, Teatro Municipal do Porto Campo Alegre.Rivoli e CCB / Fábrica das Artes

Duração: 45'

/
Locais, datas e horários:
12 de maio de 2018, às 11h e às 17h
Casa das Artes, Vila Nova de Famalicão

/
Público:
Classificação etária: 6 aos 10 anos

/
Mais informações:
www.nomeproprio.pt/cBko5ddJvl/nocturno/