Tags

Internacionalização

Em digressão pela Itália e Grécia, o Performa Ensemble revisita vários dos projetos que concebeu e desenvolveu nos últimos anos, incidindo sobre repertórios que expressam a temática do cruzamento de músicas, géneros e estilos, ou seja, a intertextualidade nos vários formatos que este conceito pode assumir em criação musical. O termo, importado dos estudos literários, relaciona-se, em música, com a reflexão criativa que compositores têm feito sobre as obras de outros compositores, sobre outras músicas e culturas, ou sobre realidades ou conceitos extramusicais.

A Vortice Dance Company apresenta-se pela quarta vez no Baltic Ballet Festival "From Classicals to Avan-Garde", em Riga (Letónia), onde já foi premiada com o BBF Recognizment Award. A companhia portuguesa atua a 20 de março no Riga VEF Culture Palace e a 22 de março no Preili Cultural Centre. 

A Representação Oficial Portuguesa na 58ª Exposição Internacional de Arte – La Biennale di Venezia vai pré-inaugurar no dia 8 de maio, no Palazzo Giustinian Lolin. Com curadoria de João Ribas, o Pavilhão de Portugal propõe o projeto "a seam, a surface, a hinge, or a knot", da artista Leonor Antunes. A inauguração ao público é no dia 11 de maio.

A proposta de João Ribas foi selecionada no âmbito de um concurso promovido pela Direção-Geral das Artes, numa modalidade inédita para definir a representação portuguesa na Exposição Internacional de Arte da Bienal de Veneza.

Still On the Road” é um novo olhar sobre o texto de Carlos J. Pessoa, “On the Road” ou “A Hora do Arco-íris”, onze anos após a sua primeira apresentação. Numa versão pensada na sequência do convite para participar no International Women Monodrama Festival of Lebanon, no Líbano (a 10 de março), “Still on the Road” retoma a história da viagem de Maria, uma mulher que, no percurso entre o Cabo de S. Vicente e o Pulo do Lobo, perfaz de memórias paradas a ausência que enche a sua vida e que brota das paisagens.

A Representação Oficial Portuguesa na 58ª Exposição Internacional de Arte – La Biennale di Venezia apresenta “a seam, a surface, a hinge, or a knot”, projeto desenvolvido pela artista plástica Leonor Antunes para o piso nobre do Palazzo Giustinian Lolin, onde ficará instalado o Pavilhão de Portugal.
Leonor Antunes irá apresentar um projeto no qual, envolvendo história de arte, arquitetura e design, reflete sobre as funções dos objetos do quotidiano, contemplando o seu potencial para se materializarem como esculturas abstratas.

A participação portuguesa na Orquestra de Jovens da União Europeia (EUYO) revelou-se, uma vez mais, um sucesso incontestável, com um excelente resultado - o melhor de sempre - nas últimas audições. Foram apurados 22 músicos portugueses para a temporada 2019 (12 como membros efetivos e 10 como reservas).

Como membros efetivos, foram selecionados:

“Some Star Dust Matter”, uma instalação de vídeo de Lisa Hoffman, está em exibição na DL Gallery, Atenas, até ao dia 4 de maio. Desenvolvida no contexto do programa ESCAPE, uma coprodução entre a Trienal de Fotografia de Hamburgo e a Ci.CLO, "Some Star Dust Matter" é uma meditação sobre ansiedades antropocêntricas, que constrói uma imagem dupla que deriva da noção de natureza/cultura. A exibição em Atenas, na exposição Re-thinking the Environment, decorre a propósito do programa de itinerância da Ci.CLO Bienal'19.

O coreógrafo e intérprete Rafael Alvarez regressa pelo terceiro ano consecutivo ao Japão para estrear o seu novo espetáculo “Na onda da distância”, no âmbito da programação da TPAM  2019 - Performing Arts Meeting em Yokohama.

"Entre Cães e Lobos" é um Laboratório de criação artítica proposto e orientado pelo coreógrafo Gustavo Ciríaco com vista ao desenvolvimento do projeto de cenografia e figurino do seu próximo espetáculo. Inspirado nas horas do crepúsculo e na luminosidade reduzida, o projeto investiga modos de traduzir para o palco experiências de paisagens que deixaram de existir, guardadas apenas nas memórias de anciões e de paisagens oníricas imaginadas por crianças.

/
Hemisphaeria – Live Release
"Camadas e espirais que se acrescentam, se modificam e chegam a um sítio que quer chegar a outro sítio. 
Às vezes há luz, às vezes não. 
Uma 'canção sem palavras' feita de fragmentos de uma língua perdida, de uma multidão. 
'Hemisphaeria' é o resultado de dois anos de laboratório, um mundo que se criou a si próprio e se transformou em narrativa. Este trabalho está organizado em dois hemisférios: um políptico de seis andamentos e um tríptico". 
(Dullmea)

/
Ficha artística:
Dullmea

Páginas